Rewire – O novo plano estratégico da Harley-Davidson

Durante a apresentação dos resultados operacionais do primeiro trimestre de 2020, a marca liderada agora por Jochen Zeitz anunciou um novo plano estratégico. Fique a conhecer as linhas mestras do plano “Rewire” delineado pela Harley-Davidson.

andardemoto.pt @ 6-5-2020 15:25:10

Quando no início de março passado ficámos a saber que Jochen Zeitz iria assumir os comandos da Harley-Davidson, depois do anterior presidente e CEO, Matt Levatich, ter apresentado a sua demissão, ficou desde então definido que a marca americana iria passar por uma revolução.

Matt Levatich tinha definido nos últimos anos um plano estratégico que denominou de “More Roads Lead to Harley-Davidson”. A estratégia de Levatich implicava que a marca americana entrasse em novos segmentos para além dos tradicionais em que tem uma forte presença.

Como resultado dessa estratégia, temos visto nascer projetos como a elétrica LiveWire, ou as Pan America, Bronx e a Bareknuckle. Mais recentemente vimos a H-D chegar a acordo com os chineses da Qianjiang, para o fabrico de motos de baixa cilindrada.

Leia também - Revolução na Harley-Davidson!




O então CEO e presidente da marca acreditava que expandir a gama da H-D para novos segmentos seria a solução para combater os números de vendas, que desde há algim tempo têm estado em queda, inclusivamente nos Estados Unidos.

E foi precisamente durante a apresentação dos resultados operacionais do primeiro trimestre de 2020 da Harley-Davidson, que o novo CEO e presidente, Jochen Zeitz, revelou um novo e ambicioso plano estratégico.

Este plano será implementado ao longo dos próximos cinco anos, e fica conhecido como “Rewire”.

“A Covid-19 alterou significativamente os nossos planos e é crítico reagir com agilidade a esta nova realidade. Determinámos que é preciso efetuar alterações significativas à nossa empresa. Nas nossas prioridades, ao nosso modelo operacional, e à nossa estratégia para conseguirmos uma performance mais consistente quando saírmos desta crise. Vamos reduzir a complexidade, ficar mais focados, e aumentar a rapidez na tomada de decisões”, referiu Jochen Zeitz durante a apresentação dos resultados operacionais.

Leia também - Harley-Davidson confirma entrada nas baixas cilindradas após acordo com a Qianjiang




O plano “Rewire” levará a Harley-Davidson a abandonar algumas das ideias mais progressivas do plano delineado por Matt Levatich. Zeitz pretende que a icónica marca americana regresse a estradas que bem conhece. Ou seja, reforçar a sua posição nos modelos que mais reconhecemos como sendo os tradicionais da Harley.

Este plano de cinco anos estará assente em diversos pontos:

- Reforçar os pontos mais fortes da marca e encontrar um melhor equilíbrio na entrada em novos segmentos;
- Dar prioridade aos mercados que mais interessam;
- Fazer um “reset” ao lançamento de novos produtos e simplificar para obter um maior impacto;
- Maximizar o desenvolvimento de produtos de Merchandising e peças e acessórios oficiais;
- Aumentar a eficiência da empresa, reduzindo a complexidade da estrutura de pessoal, redução dos custos, para garantir maior estabilidade no futuro.

Leia também - EICMA 2019: Todos os detalhes das novas Harley-Davidson Pan America e Bronx



Esta nova linha estratégica claramente define que a Harley-Davidson estará mais focada nos produtos tradicionais, e que os Estados Unidos serão a “fonte” da recuperação.

No entanto, e provavelmente porque os projetos mais inovadores estão já numa fase muito adiantada de desenvolvimento, fica também claro que a administração liderada por Jochen Zeitz não irá cancelar a produção de motos como a Pan America, a Bronx ou a Bareknuckle.

A apresentação deste plano estratégico “Rewire” acontece no seguimento de mais um período menos positivo para a marca americana.

Leia também - Harley-Davidson regista o nome "Bareknuckle”

De acordo com os resultados do primeiro trimestre de 2020, a Harley-Davidson confirma uma queda de 17,7% ao nível das vendas de motos em todo o mundo, comparativamente com os números de 2019.

A queda foi mais acentuada no mercado EMEA (Europa, Médio Oriente e Ásia) com um saldo negativo de 28,4%, mas também nos Estados Unidos a performance de vendas está no vermelho, com a H-D a vender menos 15,5% de motos do que em igual período do ano anterior.

Em números globais, a Harley-Davidson vendeu um total de 40.439 motos nos primeiros três meses de 2020. No ano de 2019 esse número ascendeu a 49.151 unidades vendidas em todo o mundo.

andardemoto.pt @ 6-5-2020 15:25:10


Clique aqui para ver mais sobre: MotoNews