Susana Esteves

Susana Esteves

Jornalista e motociclista

OPINIÃO

Perco a cabeça ou arrisco perder a cabeça?

Há algum tempo tive um acidente de mota “menos agradável”. Depois de garantir que a mota estava bem de saúde (estupidamente a primeira preocupação), de chorar pela alma do casaco de cabedal que os bombeiros tiveram de retalhar e de toda a agitação inicial acalmar (viva as drogas do hospital), dei por mim a pensar: ainda bem que andas sempre com equipamento de proteção de qualidade. Dói quando sai da carteira, mas dói menos quando vamos ao chão.

andardemoto.pt @ 28-12-2021 19:45:05 - Susana Esteves

O meu capacete levou uma pancada bastante forte, mas continuo a usá-lo. Devia? Talvez não. Mas investir num novo capacete é uma daquelas ideias que me arrepiam (no mau sentido).

Tenho uma relação de ódio-ódio com os capacetes. Sempre tive. Foi sempre o que mais detestei, e ainda hoje é o único ponto menos positivo nesta paixão das duas rodas.

- Custa-me respirar

- Odeio a chuva no capacete

- Detesto ter a cabeça apertada e as bochechas quase nos olhos

- Não há cabelo comprido que resista a um capacete diário

- Maquilhagem e capacetes não combinam (definitivamente)

 -Brincos e piercings grandes também não

O senhor que me vendeu o meu primeiro capacete era uma pessoa horrível. Contrariou-me em tudo o que eu queria. E ainda bem, senão tinha saído da loja com um capacete 3 números acima do meu, quase todo aberto, com um nível de proteção anedótico e uma correia que quase exigia um MBA para fechar e abrir.

Foi ele que me disse que os capacetes têm de custar a enfiar na cabeça, têm de amolgar as bochechas, esmagar os brincos e custar mais que 50 euros. – Se quer andar de mota e não arriscar a segurança, as regras são estas.

Também foi ele que me explicou que têm data de validade. Na altura achei que estava a gozar comigo. Mas quê… criam grelo, ganham bolor, apodrecem e apanham bicho? Não, mas o material vai perdendo eficácia ao longo dos anos. Confesso que sou uma incumpridora assumida neste domínio. Não mudo de capacete a cada 5 anos, ou 8 de fabrico. Parece-me pouco lógico e uma despesa desnecessária. Mas a verdade é que quando batemos com a cabeça no chão (ou depois), pensamos nestas coisas. Vale a pena arriscar?

É nisto que penso agora. Invisto num novo capacete, ou arrisco e ando com este mais uns anos? Será que o impacto alterou assim tanto o nível de proteção?

Odeio comprar capacetes. O preço é pornográfico. A minha carteira não me deixa ser seguidora das melhores marcas, mas exijo o melhor compromisso qualidade/preço e por isso travo a fundo o meu lado mais forreta.

Não consigo experimentar capacetes em lado nenhum. Eu uso o XS e ninguém tem números destes em stock atualmente. Portanto, a regra é: manda vir e reza para que fique bem. E vocês pensam: mas os capacetes de mulher geralmente têm esses números.

Detesto capacetes de menina/senhora/mulher. Floreados, rabiscos, pintinhas, risquinhas, corações e designs semelhantes em estilo rococó estão na minha lista negra. Cor-de-rosa, azul, turquesa e cores tipicamente condizentes com o meu género estão na minha lista muuuuito negra. Eu gosto de tudo aquilo que só existe para os chamados “homens de barba rija”. Ou seja, XS é quase um mito urbano.

Depois tenho de trocar o intercomunicador. Tudo isso para mim é uma trabalheira e uma potencial dor de cabeça. Em primeiro lugar nunca fica bem à primeira, em segundo sobram sempre várias peças (às vezes as mais importantes).

A decisão agora é: perco a cabeça e compro um capacete novo para festejar a saída da prisão, ou não compro um capacete novo, vou à mesma festejar, com o dinheiro que poupei até consigo ir fazer uns quilómetros extra num passeio de 2 ou 3 dias e se voltar a cair arrisco perder a cabeça?

Boas curvas

28-02-2021

andardemoto.pt @ 28-12-2021 19:45:05 - Susana Esteves

Outros artigos de Susana Esteves:

Os estafetas das empresas de entregas são ninjas?

Com curvas ou sem curvas

Partida. Largada. Tudo a tirar o pó dos punhos!

Mitos, ditos e mexericos

Quatro patas em duas rodas

Equipamentos que não precisamos, mas que depois não podemos viver sem eles

Quer uma moto? Tire senha e aguarde a vez

Quem arrisca… às vezes petisca o que não quer

Mulheres motociclistas nas compras? Não há opções, não há vícios.

Amor sem idade

Automáticas: sim ou não?

Vendo, não vendo. Vendo, não vendo

Podia ter sido o dia perfeito… não fosse o raio da porca

Próxima paragem: (A definir)

Arrisco a multa ou arrisco o encosto?

A paixão pelas motos passa com a idade?

Motoclubes: esses antros de má vida

Cuidado!! Motociclos aumentam risco de sociabilidade

Quem corre por gosto…

Problemas na mota? Eis o manual de sobrevivência!

O vírus do motociclista virgem

Oitos: o bicho mau das aulas de condução

Proibição de andar de mota: como sobreviver à ressaca

A minha primeira vez

A melodia de um belo ronco

Filho de peixe não sabe nadar porque eu não quero!

Foge que é pendura!

Mota roubada, trancas à solta

Viagens longas de 125: há rabo que aguente?

Andar de mota: o lado menos sexy da coisa

Motociclista: esse bicho raro

Sexo, motores e pecado

Afinal somos grandes (mas só na altura de pagar)

Inverno em 2 rodas

As regras são para…

Inteligência ou mariquice?

Férias em duas rodas - Não negue à partida uma experiência que desconhece

Férias em duas rodas - Não negue à partida uma experiência que desconhece

Falta-nos um “bocadinho assim”…

Segurança ou liberdade?

Motoshow 2017: É pró menino e prá menina

O tamanho importa?


Clique aqui para ver mais sobre: Opiniões