MotoGP – Dovizioso na KTM e Pol Espargaró na Honda? Ou teremos troca direta?

As equipas de fábrica da Ducati e da KTM não têm os seus pilotos assegurados para além de 2020. Pol Espargaró pode assinar pela Honda mas tem a Ducati à espreita, enquanto Andrea Dovizioso poderá sair da Ducati à procura dos milhões da Red Bull KTM.

andardemoto.pt @ 11-5-2020 12:19:47

Agora que o Mundial de Velocidade 2020 começa a ficar mais definido, e se o governo espanhol autorizar teremos corridas a partir de 19 de julho, as equipas estão a pensar numa parte importante do futuro: os contratos dos pilotos.

Se é verdade que a Monster Energy Yamaha já tem dois pilotos assegurados até 2022, tal como a Ecstar Suzuki, e a Repsol Honda segurou Marc Marquez por quarto anos até 2024, o outro único piloto que tem contrato assinado para além de 2020 é Tito Rabat que ficará na Reale Avintia Ducati até 2021, pelo menos.

A suspensão da competição deixou as equipas mais focadas no que se vai passar em 2020. Mas agora têm de pensar no futuro. E têm de o fazer rapidamente!

Leia também – MotoGP: Maverick Viñales renova com a Yamaha até 2022


A Ducati, liderada por Gigi Dall’Igna, é uma das principais equipas que não têm ainda nenhum piloto assegurado. Nem Danilo Petrucci, nem Andrea Dovizioso têm contrato com a equipa italiana para além da atual temporada.

E é precisamente em “DesmoDovi” que a casa de Borgo Panigale tem de se focar. Se não o fizer, arrisca-se a deixar fugir o vice-campeão de MotoGP para a KTM.

Já sabemos, através de diversas declarações públicas, que a relação entre Andrea Dovizioso e Gigi Dall’Igna atingiu um ponto menos positivo durante 2019. Mas o facto é que Dovizioso continua a ser o melhor piloto Ducati. Aliás, em 2019 completou uma série de três anos em que terminou o ano como vice-campeão, apenas batido por Marc Marquez.

A Ducati Corse tem por isso de decidir rapidamente se quer “abrir os cordões à bolsa” para convencer Dovizioso a assinar novo contrato.

Leia também – MotoGP: Yamaha protege Fabio Quartararo de ataques dos rivais



O representante do piloto italiano, Simone Battistella, já afirmou que pretende resolver o futuro do seu piloto em junho, antes do recomeço do Mundial de Velocidade. Mas a realidade é que a distância que separa Andrea Dovizioso da Ducati, do ponto de vista económico, é gigante!

Dovizioso acredita que o facto de ser três vezes consecutivas vice-campeão de MotoGP lhe garante o direito de exigir muitos milhões de euros. Já a Ducati Corse, por intermédio de Paolo Ciabatti, diretor desportivo da marca italiana, não se mostra muito interessada em dispender muitos milhões num contrato com o piloto.

Do ponto de vista da Ducati, a situação atual da pandemia Covid-19 veio alterar os valores dos contratos, e que todos terão de aprender a negociar em “baixa”, pois não será possível para as equipas continuarem a pagar os mesmos valores que até agora.

Leia também – MotoGP: Honda segura o campeão até 2024! Marc Marquez renova com a Repsol Honda


Com a Ducati a não querer – pelo menos para já – entrar em negociações de muitos milhões, Andrea Dovizioso começará a olhar para outras equipas. E uma delas será a equipa de fábrica da KTM.

A Red Bull KTM também não tem nenhum piloto assegurado para além de 2020. E isso inclui o português Miguel Oliveira. Pit Beirer, diretor da KTM Factory, quererá definir a sua estrutura o mais rápido possível, e sabe que quanto mais esperar, mais hipóteses tem de perder os seus atuais pilotos e depois não conseguir encontrar pilotos credenciados.

Conseguir contratar Dovizioso será uma forma de elevar o nível do projeto desportivo da KTM em MotoGP.

Do ponto de vista de Andrea Dovizioso, assinar pela Red Bull KTM Factory será um passo importante para o piloto italiano garantir um contrato de muitos milhões de euros. A ligação da KTM Racing à Red Bull garante um poderio financeiro invejável.

Leia também – MotoGP: Suzuki e Alex Rins ficam juntos até 2022



Mas não é só do ponto de vista financeiro que este poderá ser um bom negócio para Dovizioso.

O projeto desportivo da KTM em MotoGP tem vindo a tornar-se mais competitivo. Com a chegada de Dani Pedrosa para piloto de testes e desenvolvimento, com os “inputs” de Miguel Oliveira no desenvolvimento da RC16, e também com Pol Espargaró a mostrar-se bem adaptado à moto austríaca, a diferença para as melhores equipas ficou bastante reduzida na atual pré-temporada.

Para o atual piloto da Ducati, a mudança para a Red Bull KTM Factory não estará então fora de questão. E de acordo com o canal italiano Sky Sports, inclusivamente já existe uma proposta em cima da mesa.

E se um piloto pode entrar, outro piloto terá de sair. Neste caso Pol Espargaró.

Aos 29 anos de idade, o mais novo dos irmãos Espargaró está na sua quarta temporada com a KTM. É já um piloto bastante experimentado em MotoGP. Não é por isso de estranhar que Pol Espargaró esteja a ser cobiçado por outras equipas. Nomeadamente a Repsol Honda.

Leia também – MotoGP: Joan Mir assina novo contrato com a Suzuki até 2022


O diretor da equipa japonesa, Alberto Puig, disse publicamente que “Seria muito veloz numa Honda”, referindo-se ao piloto espanhol da KTM. Dani Pedrosa, que este ano conseguiu acompanhar os testes de pré-temporada, mostrou-se bastante impressionado pela forma como Pol Espargaró conduz a KTM RC16.

Não foi preciso esperar muito para o piloto de Granollers responder à mensagem de Puig. “A Honda pode ser uma boa opção para mim. É uma moto agressiva e pode adaptar-se bem ao meu estilo”, disse o piloto espanhol.

Ainda assim, Pol Espargaró dá preferência à KTM e ao prolongamento do seu vínculo com o fabricante austríaco.

Mas como não há “fumo sem fogo”, as mais recentes informações sobre este processo dão conta de que o manager de Pol Espargaró não apenas negoceia com a KTM e Honda, mas tem agora também uma via de negociação aberta com a Ducati.

Uma troca direta entre Andrea Dovizioso e Pol Espargaró poderá ser uma hipótese muito remota. Mas numa temporada tão atípica como a de 2020, neste momento todas as hipóteses estão em cima da mesa.

andardemoto.pt @ 11-5-2020 12:19:47


Clique aqui para ver mais sobre: Desporto