Susana Esteves

Susana Esteves

Jornalista e motociclista

OPINIÃO

Velha não! Vintage.

O que sinto mais falta nas férias é da moto.

andardemoto.pt @ 2-11-2022 09:00:00 - Susana Esteves

Mas não andas o ano todo? Sim! Mas durante o resto do ano tenho menos tempo para andar por mero prazer. Tenho menos tempo para apreciar, de forma totalmente despreocupada, toda a paz e satisfação que as duas rodas oferecem. Aproveitar o calor, as curvas, a ausência de trânsito compacto e (mais importante) a inexistência de horários.

Dois problemas:

Trazer família, malas e cão na moto não dá jeito.

Ter uma moto no meu spot de férias apenas para as poucas semanas que cá venho parece-me desajustado. Ainda assim, a minha “crise de meia-idade” precoce aparece todos os anos, mais ou menos por esta altura, só para me desencaminhar.

As motos clássicas sempre me atraíram. Zundapp, Casal Boss, Sachs e tantas outras são caras para quem as procura como motos vintage, restauradas, mas são usadas como veículos de trabalho (literalmente) todo-o-terreno por quem vive nesta zona.

E quando procuramos um bom negócio o conceito é simples: procura uma moto velha ou vintage?

Não é igual?

Não!!

O conceito de vintage vale mais uns milhares. É muito mais “IN”, mais estiloso e elegante. O conceito de velha é chunga, mais barato, isento de padrões de qualidade.

É verdade que, em muitos casos, a vintage está bem cuidada e a velha não. Mas vale a diferença de preço?

Nem sempre. Há muita venda de gato por lebre. Modelos com peças de origem (vindas da China no contentor que chegou o mês passado), em perfeito estado (para estar em exposição, não para andar) e poucos quilómetros (desde a última vez que o conta-quilómetros foi manipulado).

Não deixa de ser irónico que o valor das coisas depende sempre de como as vemos.

Quem procura uma moto vintage dá valor e nem se importa de investir um pouco mais, de procurar, pensar, investigar, pedir várias opiniões ou mesmo levar a especialistas.

Quem as tem, com as caixas de fruta amarradas atrás a servir de top-case, dá-lhes um valor diferente – são importantes ferramentas de trabalho que os acompanham há anos. São aqueles que respondem:

 - “A minha moto é linda? Oh menina, é moto de trabalho. Tem mais de 40 anos, está velha, enferrujada, mas nunca me deixou ficar mal”.  

Ainda não foi desta que a crise de meia-idade ganhou. Com o passar do tempo a minha capacidade de luta vai diminuindo, portanto, talvez para ano vos conte como fiz um grande negócio… (ou não).

Boas curvas.

andardemoto.pt @ 2-11-2022 09:00:00 - Susana Esteves

Outros artigos de Susana Esteves:

Velocidade máxima e chinelo no pé

Quando for grande vou ter…

Façam o que eu digo, não o que eu faço

E tudo o vento quase levou!

Fora da estrada e da minha zona de conforto

Telemóvel: perigo de morte

A irmandade do asfalto

Não vás às cegas que podes desiludir-te

Os motociclistas e a matemática

Quer a moto? Não vendo a mulheres!

Diz-me o que conduzes, dir-te-ei quem és

Viajante solitário

Uma mota partilha-se?

Perco a cabeça ou arrisco perder a cabeça?

Os estafetas das empresas de entregas são ninjas?

Com curvas ou sem curvas

Partida. Largada. Tudo a tirar o pó dos punhos!

Mitos, ditos e mexericos

Quatro patas em duas rodas

Equipamentos que não precisamos, mas que depois não podemos viver sem eles

Quer uma moto? Tire senha e aguarde a vez

Quem arrisca… às vezes petisca o que não quer

Mulheres motociclistas nas compras? Não há opções, não há vícios.

Amor sem idade

Automáticas: sim ou não?

Vendo, não vendo. Vendo, não vendo

Podia ter sido o dia perfeito… não fosse o raio da porca

Próxima paragem: (A definir)

Arrisco a multa ou arrisco o encosto?

A paixão pelas motos passa com a idade?

Motoclubes: esses antros de má vida

Cuidado!! Motociclos aumentam risco de sociabilidade

Quem corre por gosto…

Problemas na mota? Eis o manual de sobrevivência!

O vírus do motociclista virgem

Oitos: o bicho mau das aulas de condução

Proibição de andar de mota: como sobreviver à ressaca

A minha primeira vez

A melodia de um belo ronco

Filho de peixe não sabe nadar porque eu não quero!

Foge que é pendura!

Mota roubada, trancas à solta

Viagens longas de 125: há rabo que aguente?

Andar de mota: o lado menos sexy da coisa

Motociclista: esse bicho raro

Sexo, motores e pecado

Afinal somos grandes (mas só na altura de pagar)

Inverno em 2 rodas

As regras são para…

Inteligência ou mariquice?

Férias em duas rodas - Não negue à partida uma experiência que desconhece

Férias em duas rodas - Não negue à partida uma experiência que desconhece

Falta-nos um “bocadinho assim”…

Segurança ou liberdade?

Motoshow 2017: É pró menino e prá menina

O tamanho importa?


Clique aqui para ver mais sobre: Opiniões