MotoGP - Equipas e pilotos prontos, mas tudo em suspenso

O Mundial de Velocidade está virado do avesso. O coronavírus está a criar inúmeros problemas de calendário e ninguém sabe bem o que esperar. Mas enquanto não se sabe o que acontece, fique a conhecer melhor as equipas e o que pode vir a acontecer em 2020 nesta apresentação do Mundial de Velocidade 2020.

Fotos: Equipas e MotoGP.com

andardemoto.pt @ 25-3-2020 09:30:00 - Texto: Bruno Gomes

Numa situação normal, por esta altura do ano já estaríamos a ver as três categorias do Mundial de Velocidade a competir em pista depois dos testes de pré-temporada. Mas a temporada 2020 está completamente virada do avesso. E o culpado tem um nome: coronavírus ou COVID-19.

Ao mesmo tempo que cada país tenta lutar contra este vírus, também a Dorna e a Federação Internacional de Motociclismo tentam encontrar as melhores soluções para a realização do Mundial de Velocidade.

Carmelo Ezpeleta, CEO da Dorna, garantiu recentemente que teremos campeonato. Até porque, caso não se realizem no mínimo as 13 corridas contratadas com a FIM, Ezpeleta sabe que a Dorna terá de desembolsar muitos milhões de compensação.

Carmelo Ezpeleta não tem mãos a medir para reorganizar o Mundial de Velocidade

Carmelo Ezpeleta não tem mãos a medir para reorganizar o Mundial de Velocidade

Mas com Itália a fechar fronteiras, Tailândia a ver o seu Grande Prémio adiado para outubro, Estados Unidos a proibirem eventos com mais de 2500 pessoas e a adiarem o GP das Américas para novembro, e agora Argentina a perceber que a pandemia do coronavírus também levou ao adiamento do GP em Termas de Rio Hondo, Carmelo Ezpeleta e todos os fãs do Mundial de Velocidade não sabem o que esperar.

Ezpeleta admite inclusivamente prolongar a temporada de competição até ao Natal!

Portugal, e mais concretamente os circuitos do Algarve e do Estoril, podem revelar-se como uma solução. Principalmente o Autódromo Internacional do Algarve que está classificado como “reserva”, seria uma boa hipótese para que Ezpeleta consiga cumprir com as 13 corridas contratualizadas. Veremos como tudo isto se desenrola.

Mas enquanto o Mundial de Velocidade se encontra em suspenso, podemos aproveitar para fazer uma antevisão do que vai acontecer quando, eventualmente, este campeonato arrancar a sério.

Miguel Oliveira: Uma década ao mais alto nível

Para as hostes lusas, Miguel Oliveira continua a ser a grande estrela e o centro das nossas atenções. O piloto português cumpre este ano a sua 10ª participação consecutiva no Mundial de Velocidade. Uma década a enfrentar os melhores do mundo, uma década em que Miguel Oliveira já mostrou do que é capaz, vencendo corridas e somando dois vice-campeonatos (Moto3 e Moto2).

Este ano continuará a competir pela Red Bull KTM Tech3. Miguel Oliveira revelou nos testes de pré-temporada um andamento melhor do que aquele que vimos fazer no início de 2019 quando se estreou em MotoGP.

Em parte podemos atribuir essa melhoria à evolução da KTM RC16, mas todo o crédito deve ser dado ao piloto português que continua a revelar uma capacidade de trabalho impressionante.

Este início de temporada acabou também por ser afetado pela lesão no ombro direito. Miguel Oliveira realizou menos voltas em pista para não massacrar o ombro que foi operado no final de 2019.

Mas para além do trabalho de recuperação que tem sido partilhado nas redes sociais, Miguel Oliveira também está a ter mais tempo para recuperar devido ao coronavírus. Totalmente recuperado e com a KTM a fornecer material de fábrica, Miguel Oliveira poderá estar na luta pelos 10 melhores lugares nas corridas de MotoGP.


Renovações

Este ano temos já diversas renovações confirmadas. A mais surpreendente, não pela renovação em si, mas sim pelo período contratualizado, é a de Marc Marquez. O campeão de MotoGP renovou com a Repsol Honda até 2024! Colocou assim um ponto final nos rumores que davam conta que a Ducati estava muito perto de garantir a sua contratação.

A Yamaha também trabalhou desde cedo para fechar a equipa de fábrica a partir de 2020. Maverick Viñales vai manter-se por mais dois anos, mas terá agora a companhia de Fabio Quartararo.

A Suzuki também não quis deixar escapar o seu melhor piloto. Alex Rins está já garantido por mais duas temporadas, e tem nas mãos a missão de confirmar este ano que o fabricante japonês é um sério candidato ao título.

Luta pelo título: os candidatos

Marc Marquez é o campeão, e demonstrou nos últimos anos que é o melhor mesmo que por vezes não usufrua da melhor moto. Mas este ano o espanhol está bastante debilitado fisicamente, no ombro direito, e os testes de pré-temporada não lhe correram de feição com as quedas a juntarem-se aos diversos problemas com a nova Honda RC213V.

É opinião geral no paddock que Fabio Quartararo, depois do que fez em 2019 e do que voltou a mostrar nos testes, será o mais sério candidato a bater Marquez. O jovem francês tem agora uma M1 com as mesmas especificações das motos de fábrica, e se tivermos em linha de conta os tempos dos testes, Quartararo será mesmo um sério candidato ao título. Mas aguentará a pressão?

Maverick Viñales também tem mostrado muita consistência, e sem a preocupação de renovar contrato, o espanhol está na lista de candidatos ao título. Também Alex Rins e a Ecstar Suzuki mostram que 2020 pode ser o ano da confirmação.

Bons tempos nos testes, a GSX-RR parece estar ainda melhor em termos de potência, sem perder as qualidades que a tornaram numa moto tão equilibrada. Alex Rins será um piloto a ter em conta.

Mas depois não podemos esquecer outros nomes grandes como Andrea Dovizioso, que esteve bastante discreto nos testes mas aos comandos da rapidíssima Ducati Desmosedici GP20 será certamente um piloto regular no pódio.

Melhorias a confirmar

Mais do que qualquer outro fabricante, tanto a Aprilia como a KTM têm este ano uma temporada debaixo de enorme pressão. A marca de Noale tem investido muito milhões no desenvolvimento do seu projeto de MotoGP com a Gresini, e de facto o novo motor e ciclística da RS-GP tem mostrado estar num patamar acima do anterior.

Aliás, Aleix Espargaró registou mesmo uma das velocidades máximas mais elevadas nos recentes testes no Qatar. Resta apenas saber se Espargaró terá Andrea Iannone ao seu lado, com o italiano ainda a contas com o caso de doping.

Quanto à KTM, arranca para esta temporada com esperanças renovadas e com Dani Pedrosa muito mais envolvido no crescimento do projeto da marca austríaca. As novas RC16 parece que também estão mais perto em termos de tempos por volta em relação às adversárias.

Não se esperam vitórias por parte dos pilotos KTM, pelo menos em condições normais, mas através de Pol Espargaró e de Miguel Oliveira veremos mais vezes as motos “laranjas” mais acima na classificação.


Jorge Lorenzo: O regresso surpreendente... ou não!

É verdade! O três vezes campeão de MotoGP e que tinha anunciado o fim da sua carreira no final de 2019, afinal vai competir num Grande Prémio. Mais concretamente na Catalunha, aquele que é o seu circuito favorito.

Jorge Lorenzo assumiu o papel de piloto de testes da Yamaha Racing em MotoGP, e pouco depois de começarem os rumores, o maiorquino confirmou que regressa ao MotoGP por uma corrida (mas já se fala em mais). Será interessante perceber como se vai portar Lorenzo aos comandos de uma moto com a qual se deu tão bem.

E também como reage a Honda depois de ver o espanhol “rasgar” o seu contrato com o gigante japonês.

As cartas fora do baralho, mas que podem baralhar as contas

Para além dos pilotos que apontámos como principais candidatos ao título, e num ano em que se prevê uma competição muito mais renhida, há outros pilotos que estão “fora do baralho” mas que na realidade podem vir a baralhar as contas.

Valentino Rossi (Monster Energy Yamaha), Cal Crutchlow (LCR Honda), Jack Miller (Pramac Ducati), Danilo Petrucci (Mission Winnow Ducati), Joan Mir (Ecstar Suzuki), Johann Zarco (Reale Avintia Ducati).

Todos eles já mostraram capacidade para estar no topo de MotoGP em corrida, e entrando na luta pelos lugares do pódio podem baralhar os resultados dos principais favoritos. Neste lote há quem inclua o irmão mais novo do campeão.

Alex Marquez entra em MotoGP pela porta grande com a Repsol Honda, mas o campeão de Moto2 não terá vida fácil e já confirmou que Marc Marquez não lhe dará muita ajuda.

Calendário do Mundial de Velocidade revisto

8 de março – GP do Qatar (apenas Moto2 e Moto3)
3 de maio – GP de Espanha
17 de maio – GP de França
31 de maio – GP de Itália
7 de junho – GP da Catalunha
21 de junho – GP da Alemanha
28 de junho – GP da Holanda
12 de julho – GP da Finlândia
9 de agosto – GP da República Checa
16 de agosto – GP da Áustria
30 de agosto – GP do Reino Unido
13 de setembro – GP da República de São Marino
27 de setembro – GP de Aragão
4 de outubro – GP da Tailândia
18 de outubro – GP do Japão
25 de outubro – GP da Austrália
1 de novembro – GP da Malásia
15 de novembro – GP das Américas
22 de novembro – GP da Argentina
29 de novembro – GP da Comunidade Valenciana

A Dorna e a FIM não têm mãos a medir para encontrar um calendário de corridas que possa ser cumprido. A mais recente versão do calendário do Mundial de Velocidade que temos acesso no momento em que escrevemos estas linhas, mostra que o GP da Tailândia foi adiado para outubro enquanto o GP de Aragão foi antecipado uma semana em relação ao inicialmente previsto.

A alteração mais recente mostra o GP das Américas saltar para meados de novembro, com o GP da Argentina a ficar inserido logo a seguir, empurrando Valência para o fim de novembro. No entanto há grandes probabilidades do calendário voltar a ser modificado. Por isso fique atento a www.andardemoto.pt para estar sempre atualizado!

Lista de Equipas de MotoGP 2020

Red Bull KTM Tech3 – KTM RC16
MIGUEL OLIVEIRA #88
Iker Lecuona #27

Veja aqui a apresentação da Red Bull KTM Tech3

Repsol Honda – Honda RC213V
Marc Marquez #93
Alex Marquez #73

Mission Winnow Ducati – Ducati Desmosedici GP20
Andrea Dovizioso #04
Danilo Petrucci #9

Veja aqui a apresentação da Mission Winnow Ducati

Monster Energy Yamaha – Yamaha YZR-M1
Maverick Viñales #12
Valentino Rossi #46

Veja aqui a apresentação da Monster Energy Yamaha

Petronas Yamaha SRT – Yamaha YZR-M1
Fabio Quartararo #20
Franco Morbidelli #21

Ecstar Suzuki – Suzuki GSX-RR
Alex Rins #42
Joan Mir #36

Veja aqui a apresentação da Ecstar Suzuki

Pramac Ducati- Ducati Desmosedici GP20
Jack Miller #43
Francesco Bagnaia #63

Reale Avintia – Ducati Desmosedici GP20 / GP19
Johann Zarco #5
Tito Rabat #53

LCR Honda / LCR Honda Idemitsu – Honda RC213V
Cal Crutchlow #35
Takaaki Nakagami #30

Aprilia Gresini – Aprilia RS-GP
Aleix Espargaró #41
Andrea Iannone #29

Veja aqui a apresentação da Aprilia Gresini

Red Bull KTM Factory – KTM RC16
Pol Espargaró #44
Brad Binder #33

andardemoto.pt @ 25-3-2020 09:30:00 - Texto: Bruno Gomes

Galeria de fotos


Clique aqui para ver mais sobre: Desporto