Susana Esteves

Susana Esteves

Jornalista e motociclista

OPINIÃO

A melodia de um belo ronco

Muito se falou há alguns meses da LiveWire, a primeira mota elétrica da Harley Davidson. Entre as dezenas de adjetivos atribuídos - ecológica, futurista, moderna, etc - apenas um prendeu realmente a minha atenção: silenciosa. Como assim? O que é uma mota silenciosa? Pior, o que é uma Harley silenciosa?

andardemoto.pt @ 17-12-2018 22:24:36 - Susana Esteves

Não há nada mais melódico que um ronco grave e imponente de uma mota. Daqueles que nos faz virar a cabeça, que nos provoca um ligeiro arrepio e que nos aumenta o desejo de pedirmos uma prenda extra ao Pai Natal.  

Será que vão mesmo cortar o pio a uma das mais másculas motas de sempre?


Se os motociclistas gostassem de silêncio, os fabricantes dos designados “escapes de ronco potente” estavam sem negócio. Mas porquê este gosto pelo barulho? Existem várias teorias possíveis:

Uma questão de tamanho – O ronco cria imponência e dá dimensão. Quantas vezes não ouvimos o que pensamos ser um grande “motão”, e depois quando viramos a cabeça vemos uma pequena scooter ou uma 125? É a história do gato que quer ser leão. É claro que este desejo de ser maior não é um exclusivo dos detentores de motas de menor cilindrada. Independentemente da potência, o orgulho de poder dizer “o meu ronco é maior que o teu” fala mais alto, e até o prazer de condução é diferente. Dá confiança e aumenta a autoestima.

Uma questão de segurança – As motas menos potentes são naturalmente mais silenciosas e discretas, algo que não funciona bem no meio do trânsito. São muitos os automobilistas que conduzem junto ao centro da via, que fazem manobras perigosas para ocuparem aquele lugar que acabou de surgir na fila do lado, sem sequer olharem para o retrovisor, ou que conduzem aos Ss por estarem ao telefone. O barulho de uma mota a aproximar-se é muitas vezes o que trava estas manobras perigosas. Esta é a razão pela qual muitos detentores de scooters investem em escapes mais ruidosos. Há os que abusam? Sim. E muito. Mas em todo o lado existe sempre alguém mais extremista.    

É claro que este clube de fãs agrada a muito poucos, principalmente aos vizinhos que têm que ouvir diariamente a nossa mota a sair da garagem às 6.30 da manhã, ou ao bairro inteiro que tem que aguentar aqueles primeiros arranques que abrem as goelas ao escape, e nos dão aceleração. Também não agrada muito aos automobilistas que estão relaxados e descontraídos a conduzir no meio do trânsito, nas redes sociais, a ler o jornal ou a fazer a sua higiene pessoal na viatura, e que se assustam facilmente. 

A verdade é que não estamos dispostos a abdicar disto. Uma mota silenciosa deveria ser apenas um mito urbano, uma espécie de Big Foot ou monstro do Loch Ness – alguns dizem que existem, mas nunca ninguém os viu.

A LiveWire vai mesmo ser silenciosa? Para já ninguém sabe. Mas se for, será que vem com caixa de sons?     

Boas curvas


Outros artigos da Susana Esteves:

andardemoto.pt @ 17-12-2018 22:24:36 - Susana Esteves