Paulo Araújo

Paulo Araújo

Motociclista, jornalista e comentador desportivo

OPINIÃO

Ligar o complicómetro

É engraçado como, com o passar do tempo, as coisas se complicam, quando se deviam simplificar.

andardemoto.pt @ 27-5-2024 09:17:17 - Paulo Araújo

­ Quando comecei a andar de moto, estávamos nos anos setenta. Não havia navegadores, nem GPS, nem telemóveis e as motos eram todas “nakeds”. Isso quer dizer que para viajar, primeiro tínhamos de adaptar a moto… Um vidro ou, para os mais radicais ou endinheirados, uma carenagem, malas, um saco de depósito e uma boa provisão de elásticos para acabar de prender a restante bagagem que inevitavelmente não cabia nos anteriores.

Por vezes, maneira de melhorar travões, suspensão e iluminação faziam da cada moto um projeto pessoal, único e ao gosto do proprietário…aliás, é daí que vem o termo “custom”.

Tínhamos de fazer bem as contas às divisas de que iríamos precisar ao atravessar vários países, pois nem em França aceitavam Libras, nem em Espanha Escudos, e por aí fora… e nem os cartões eram internacionais! Mais do que uma vez tive de recorrer ao ardil de encher primeiro o depósito e confessar depois que não tinha Francos, deixando um Francês irritado a consultar o jornal do dia para saber o câmbio da libra e aceitar a medo o pagamento…

Uma boa revisão de todos os elementos, pneus novos e provavelmente uma corrente recente e bem lubrificada, a menos que a moto fosse uma BMW… Se a viagem fosse através da Europa por uns milhares de Km, levar um pneu traseiro ou comprar um pelo caminho era habitual, pois 4 ou 5 mil Km a boas velocidades davam conta do rasto e as multas eram muito mais que o eventual custo do pneu… Lembro-me de ter de convencer os Gendarmes que o pneu de trás liso teria de acabar a viagem porque estávamos na Normandia e o barco era logo ali…

Muitas vezes, a noite era passada onde o cansaço ditava, num saco-cama à beira da estrada a ouvir os estalidos do motor a arrefecer ao nosso lado… já que também não havia Booking nem Airbnb nem marcações de última hora por telemóvel.

Agora, se tivermos a moto certa, já vem com vidro e malas, além de faróis, ajudas eletrónicas, banco e suspensão que se ajusta automaticamente ao tamanho e peso do pendura e aos nossos gostos ou estilo de condução e, claro, um irritante navegador que nos vai mandando para onde não queremos ir e ao mínimo desvio baralha tudo enquanto refaz os cálculos…visto que, fiados no navegador, provavelmente mal olhámos para a rota a empreender antes de sair e só temos uma vaga ideia de onde devíamos estar a rumar.

Agora, tudo se simplificou… O Euro é aceite na maior parte dos países que poderíamos visitar na periferia, e qualquer pneu dura pelo menos 8.000 Km, até porque o tempo de atravessar uma Europa sem auto-estradas, mas também sem radares pela maior parte, a mais de 170 Km/h, já lá vai… Agora, podemos escapar pelos 130-140, mas vai depender do país e da disposição do polícia no dia.

E no entanto, complicou-se… quando devia ser quase pegar no cartão de crédito, enfiar umas mudas de roupa nas malas e zarpar, há gente que complica, que vem para os fóruns perguntar que pneu é o melhor ou que óleo de caixa colocar na transmissão e quantos Km vai durar… Se é seguro atravessar a Nasdrovia de cima sem escolta policial ou se na Parvónia Setentrional recebem bem os motards… 

Epá, vivam um bocadinho! Parte do gozo é ir à descoberta, deixando, não ao acaso, mas à vontade do momento, os detalhes mais finos da rota e das paragens… só assim, vamos encontrar gente extraordinária, sítios inesquecíveis e recordações que perdurarão muito para lá de quando já não tivermos energia nem saúde para mais!


andardemoto.pt @ 27-5-2024 09:17:17 - Paulo Araújo

Outros artigos de Paulo Araújo:

Oliveira da Serra (Algarvia)

O Dakar e os portugueses

As tribos motard

Quando o cliente é o menos importante

A questão da Honda Repsol

Novos horizontes

A MotoGP em 2023: Mais eletrónica, mais técnica, mais difícil

Decidir sem pensar

As (minhas) motos ao longo dos anos

A hora da Ducati

Aonde vai isto parar?

Oliveira e os descrentes

Época tola na MotoGP: Tudo muda em 2022

A evolução da espécie

E as Superbike ?

A esbater as fronteiras

Miguel Oliveira - De herói a vilão

Os que ficaram em 2021

MotoGP, Testes pré-época em Valencia

O Campeão tranquilo

Milão mostra as tendências globais

Superbike - Rea é o culpado da crise?

Marquez, 7 vezes Campeão - De outro mundo

Leon Haslam vence Britânico de Superbike - Meio século de glória para o clã Haslam

Por dentro dos Grand Prix Legends...

Das duas para as quatro rodas

Frank Sinatra e Eddie Lawson: a teoria do afastamento precoce

Departamento de truques sujos

Curiosidades - As marcas e os nomes

Mundial de Superbike chega a Portimão ao rubro – previsão

MotoGP 2018 - Decisão histórica

O preço de economizar

As motos e os miúdos

Porquê raspar o joelho?

Recordes em pista - A tender para zero?

Bons velhos tempos nas Superbike

A Honda RC30 tem 30 anos

A alegria do faça-você-mesmo

Superbike- Irá a nova BMW fazer diferença?

Mundial Superbike 2018 – Uma época à procura de maior equilíbrio

Moto GP- Qual é o problema com a Yamaha?

MotoGP - Silly season - a época tola

História repetida?

Uma crónica acerca de... nada!

"Tudo é possível" - uma aventura em Vespa

Ilha de Man 2018 - Recordes batidos, e ainda vamos nos treinos!

Barry Sheene, as motos e o marketing

Meninas e Motos

A Norton Commando

Mundial SBK - A evolução da Yamaha YZF-R1

Do avião à moto

Convivendo com Graziano Rossi

O jogo do empresta

Curiosidades – Os homens da Força Aérea Sueca

Histórias do Mundial - Santiago Herrero: Campeão sem coroa

Curiosidades - Evinrude e os Davidson

MotoGP - Previsão de uma época histórica

Mundiais de Velocidade - A YZR500, ou OW – A 500 de GP da Yamaha

Mundiais de Velocidade - A Honda NS/NSR500

Foi-se Tony Scott

Mundiais de Velocidade – A Suzuki RG500 - Parte II

Mundiais de Velocidade – A Suzuki RG500 - Parte I

Mundiais Velocidade - A evolução

Oportunidades perdidas

Moto GP – Como vai ser 2018? – 3ª Parte – A Suzuki e a KTM

Moto GP – Como vai ser 2018? – 1ª Parte – A Honda e a Yamaha

Os famosos e as motos – Uma inevitável atração?

Corridas de moto no Natal?

Histórias do Mundial – Gary Nixon, o campeão que nunca chegou a ser...

Histórias do Mundial – As poderosas 500

Histórias do Mundial - Degner, Kaaden e a MZ

Pneus de MotoGP

Retrospectiva – MotoGP 2017

Grande Prémio de Macau de 1986 - O primeiro com portugueses - 1ª parte

Mundial Superbike – Retrospectiva 2017

Mundial Moto 3- Retrospectiva

A Moriwaki – Um prodígio à Japonesa

Quando os Grandes Prémios serviam para sonhar - A ELF500

Yoshimura, o mago dos motores

Harris YZR500 - A aventura no Mundial

O que vem a seguir em Moto2?

Técnica MotoGP - “Chatter” e como o evitar

Porquê raspar o joelho?

GP San Marino Moto GP – A ausência de Rossi

A Ducati e Doug Polen

Curiosidades do Mundial de outrora...

Mundial de Superbikes - A corrida no México

O que é o Northwest 200?

As gloriosas 350

O Mundial de velocidade, como era há 30 anos...

Recordando as 8 Horas de Suzuka

As corridas de Clube em Inglaterra

Recordando a magia de Spa- Francorchamps

Ainda as Superbike...

Como resolver a crise nas SBK?

McLaughlin e a criação das Superbike

Karma, ou o ciclo da vida…

Mundial MotoGP - Itália - Chega o novo Michelin

É tempo de Ilha de Man de novo

Regresso às origens nas SBK

Nicky Hayden, o adeus

As origens da KTM de Miguel Oliveira

Recordando momentos...

Jerez de la Frontera: Destino obrigatório

Mundial de Superbikes chega a Assen

Porque correm os Ingleses?

Quando menos era mais...

Parentescos - Porque há cada vez mais famílias no MotoGP?

A propósito de Motoshows por esse mundo fora...

Moto2 revela equilíbrio antes da prova inicial em Losail, no Qatar

Novos pneus Michelin em foco nos treinos MotoGP

O Artesão dos Escapes

Adeus, Sir John

O adeus às asas traz mais problemas do que os que resolve?

O Regresso das SBK


Clique aqui para ver mais sobre: Opiniões