Paulo Araújo

Paulo Araújo

Motociclista, jornalista e comentador desportivo

OPINIÃO

Mundiais de Velocidade - A Honda NS/NSR500

Outra moto incontornável na nossa continuada história das espantosas 500 de Grand Prix foi a NS/NSR500 da Honda. Entre ambas, e entre 1983 e 2001, a Honda foi capaz de obter nada menos que 12 títulos de pilotos.

andardemoto.pt @ 1-3-2018 13:27:21 - Paulo Araújo

Com apenas 20 anos, Spencer deu à NS500 o seu primeiro título

Com apenas 20 anos, Spencer deu à NS500 o seu primeiro título

A Honda NS500 original foi uma moto de corrida de 500cc do início da década de 80, com um motor V3 de dois tempos. Criada para substituir a malograda NR500 de pistões ovais, inovadora mas sem sucesso, a moto foi contra a preferência da Honda por máquinas de quatro tempos, mas provou ser muito eficaz e rapidamente ganhou o Campeonato Mundial de 500cc de 1983 com Freddie Spencer.

Spencer foi capaz de usar o menor peso e maneabilidade superior da NS500 para alcançar velocidades em curva mais altas, e acelerar mais cedo à saída das curvas. Ron Haslam também ganhou o Grande Prémio de Macau de 1983 numa NS500. No entanto, a concorrência evoluía de tal modo que a Honda sentiu a necessidade, após um período de vida relativamente curto, de a substituir pela nova versão de motor  V4 a dois tempos, a NSR500. A Honda NSR500, desenvolvida pela HRC (Honda Racing Corporation) e Erv Kanemoto, com um ainda jovem Jeremy Burgess, estreou em 1984 nas 500.



Spencer bisou em 1985, já com a NSR

Spencer bisou em 1985, já com a NSR

A Honda acabaria por ganhar dez campeonatos mundiais de 500cc com a NSR500, de 1984 em diante, seis deles consecutivos, entre 1994 e 1999. Com mais de 100 vitórias a seu crédito, a NSR500 foi a força dominante nos Grand Prix da época. A NSR500 de 1989, que ganhou o terceiro campeonato mundial da Honda 500 com Eddie Lawson é um exemplo da potência, aceleração e velocidade que sempre foram sinónimos dos V4 a dois tempos da Honda nas 500 cc.

Com base nas lições aprendidas com a sua antecessora de três cilindros, o novo V4 usou uma única cambota, tornando-a mais leve e compacta do que os adversários que usavam cambotas duplas. Apesar de atrasada pela tecnologia de chassis pioneira na sua primeira temporada, a NSR500 evoluiu para conquistar o segundo título de 500 da Honda em 1985. A abertura do ângulo do V a 112 graus em 1987 abriu mais espaço para lá colocar um quarteto de carburadores Keihin de 36 mm, que assim podiam ser alimentados com mistura mais fresca.



Gardner tornou a NSR500 nuam moto feroz, a seu gosto

Gardner tornou a NSR500 nuam moto feroz, a seu gosto

O novo arranjo também permitia ao motor expelir os gases mais eficientemente através das quatro câmaras de expansão artisticamente entrelaçadas. Ao final do ano, a Honda ganhou um terceiro  Campeonato Mundial de 500 com o australiano Wayne Gardner.

De novo totalmente redesenhada para 1988, a NSR500 apareceu com um quadro rígido em duplo berço de alumínio e várias mudanças ao motor. As mudanças feitas na moto de 1988 foram de tal modo que chegaram a tornar a pilotagem algo problemática para os pilotos, especialmente na primeira metade da temporada. Wayne Gardner teve dificuldades na defesa do seu Campeonato Mundial de 1987 e, apesar de ter acabado com os problemas da moto e ter ganho três corridas consecutivas a meio da temporada (Assen, Bélgica e Jugoslávia), só conseguiu terminar o campeonato em segundo lugar atrás da Yamaha de Eddie Lawson.


Se Gardner domou a NSR, Lawson "civilizou-a"

Se Gardner domou a NSR, Lawson "civilizou-a"

As principais queixas sobre a NSR500 de 1988 foram que o motor, sem dúvida o mais potente nas 500cc, era muito pontudo e tinha de ser usado na faixa alta de rotações para se tirar o melhor proveito dele. Além disso, a geometria da suspensão da moto não era tão boa como em 1987 e a moto era visivelmente mais difícil de pilotar em curva do que as rivais Yamaha YZR500 e a nova RGV500 da Suzuki. Enquanto a vantagem de potência dos motores se notava nas pistas mais rápidas, como Suzuka (que é de facto propriedade da Honda), Assen, Spa ou Paul Ricard, em pistas mais sinuosas, como Jarama e Jerez, a NSR500 de 88 estava fora do ritmo da frente devido ao seu comportamento.

Mais melhorias deram à NSR500 de 1989 para cima de 165 cavalos de potência às 12.000 rpm - basicamente o dobro da Honda RC181 de quatro tempos de 1966. Capaz de mais de 310 km / h, as motos de 1989 tinham maior velocidade e aceleração do que qualquer outra coisa em pista. Para conter todo esse músculo, o chassis de alumínio foi tornado mais rígido e usava um braço oscilante curvo, para acomodar por baixo panelas de escape mais eficientes. O resultado foi um pacote implacável, mas brutalmente rápido, que deu à Honda um quarto Campeonato Mundial de 500 cc em 1989, graças a Eddie Lawson, que se juntou à fábrica apoiada pela Rothmans ao lado de Gardner e do jovem australiano Mick Doohan.


Doohan, espectacular e inbatível na NSR

Doohan, espectacular e inbatível na NSR

Embora o V4 de 499 cc pudesse produzir mais de 200 cavalos de potência, o desenvolvimento do chassis, a gestão de motor sofisticada e especialmente, um australiano chamado Mick Doohan, fizeram da NSR500 uma lenda na década de 1990. Testes extensivos em 1991 levaram a um novo chassis de alumínio baseado na bem sucedida RVF750 de resistência.

Mas a Honda ainda tinha mais truques na manga, e em 1992 revelou ao mundo a ideia revolucionária de um V4 programado para disparar todos os quatro cilindros dentro de 65-70 graus de rotação da cambota - o chamado motor "Big-Bang". Juntamente com um veio balanceiro que neutralizou os efeitos giroscópicos do motor, a NSR500 de 1992 foi um grande avanço.

Um motor NSR no Museu Honda

Um motor NSR no Museu Honda

Doohan usou esse motor para ganhar cinco dos sete primeiros Grand Prix de 1992. Embora uma fractura de uma perna lhe negasse o título nesse ano, ele regressaria em força. A partir de 1994, Doohan e a NSR500 ganharam cinco campeonatos mundiais consecutivos de 500. Ganhando 12 das 15 corridas em 1997, ele quebrou o recorde de vitórias numa temporada que fora estabelecido em 1972.

Combinando 54 vitórias em Grand Prix em total, nenhum homem e máquina na história moderna dominaram o Campeonato Mundial de 500 tão completamente. Por volta de 1997, a NSR500 apresentou em alternativa novamente o motor "Screamer" mais antigo, que alguns pilotos de fábrica como Sinichi Itoh preferiam, apesar de ser muito mais difícil de aproveitar, com Mick Doohan preferindo o débito superior do “Big Bang”.

Rossi foi o último campeão Mundial de 500 com a NSR

Rossi foi o último campeão Mundial de 500 com a NSR

A verdade é que, com o Big Bang, pilotos como Puig, Crivillé e outros puderam começar a disfrutar da NSR500 e dar à Honda mais Campeonatos Mundiais de 500, com Alex Crivillé em 1999 e novamente com Valentino Rossi, já em 2001. Os regulamentos para o campeonato mundial de 500 foram então mudados drasticamente para 2002, com a introdução de motores a quatro tempos até 990 cc e até seis cilindros.

O nome da classe foi alterado para MotoGP e esta limitada apenas a protótipos de corrida. Por causa dessas mudanças, a Honda lançou a RC211V em 2002, para correr ao lado das NSR500. A maior capacidade, aliada a facilidade de pilotagem, da RC211V e das outras quatro tempos dominaram a série e a NSR500 foi finalmente eliminada da classe, juntamente com todas as outras motos a dois tempos.

andardemoto.pt @ 1-3-2018 13:27:21 - Paulo Araújo

Outros artigos de Paulo Araújo:

Foi-se Tony Scott

Mundiais de Velocidade – A Suzuki RG500 - Parte II

Mundiais de Velocidade – A Suzuki RG500 - Parte I

Mundiais Velocidade - A evolução

Oportunidades perdidas

Moto GP – Como vai ser 2018? – 3ª Parte – A Suzuki e a KTM

Moto GP – Como vai ser 2018? – 1ª Parte – A Honda e a Yamaha

Os famosos e as motos – Uma inevitável atração?

Corridas de moto no Natal?

Histórias do Mundial – Gary Nixon, o campeão que nunca chegou a ser...

Histórias do Mundial – As poderosas 500

Histórias do Mundial - Degner, Kaaden e a MZ

Pneus de MotoGP

Retrospectiva – MotoGP 2017

Grande Prémio de Macau de 1986 - O primeiro com portugueses - 1ª parte

Mundial Superbike – Retrospectiva 2017

Mundial Moto 3- Retrospectiva

A Moriwaki – Um prodígio à Japonesa

Quando os Grandes Prémios serviam para sonhar - A ELF500

Yoshimura, o mago dos motores

Harris YZR500 - A aventura no Mundial

O que vem a seguir em Moto2?

Técnica MotoGP - “Chatter” e como o evitar

Porquê raspar o joelho?

GP San Marino Moto GP – A ausência de Rossi

A Ducati e Doug Polen

Curiosidades do Mundial de outrora...

Mundial de Superbikes - A corrida no México

O que é o Northwest 200?

As gloriosas 350

O Mundial de velocidade, como era há 30 anos...

Recordando as 8 Horas de Suzuka

As corridas de Clube em Inglaterra

Recordando a magia de Spa- Francorchamps

Ainda as Superbike...

Como resolver a crise nas SBK?

McLaughlin e a criação das Superbike

Karma, ou o ciclo da vida…

Mundial MotoGP - Itália - Chega o novo Michelin

É tempo de Ilha de Man de novo

Regresso às origens nas SBK

Nicky Hayden, o adeus

As origens da KTM de Miguel Oliveira

Recordando momentos...

Jerez de la Frontera: Destino obrigatório

Mundial de Superbikes chega a Assen

Porque correm os Ingleses?

Quando menos era mais...

Parentescos - Porque há cada vez mais famílias no MotoGP?

A propósito de Motoshows por esse mundo fora...

Moto2 revela equilíbrio antes da prova inicial em Losail, no Qatar

Novos pneus Michelin em foco nos treinos MotoGP

O Artesão dos Escapes

Adeus, Sir John

O adeus às asas traz mais problemas do que os que resolve?

O Regresso das SBK


Clique aqui para ver mais sobre: Desporto