Paulo Araújo

Paulo Araújo

Motociclista, jornalista e comentador desportivo

OPINIÃO

O preço de economizar

Porque será que as motos, como veículos a gasolina, são discriminadas enquanto veículos ao serviço de uma empresa? Isto fará sentido nos dias de hoje, quando a luta contra as emissões nocivas devia ser o critério mais importante na mente do legislador?

andardemoto.pt @ 22-8-2018 23:55:00 - Paulo Araújo

Manifestação pelos direitos da moto em Londres, anos 80

Manifestação pelos direitos da moto em Londres, anos 80

Já nos habituámos às constantes subidas e descidas do preço da gasolina serem justificadas por associação à velha desculpa do preço do barril de crude. Quando este sobe, ela sobe, quando desce, já o produto refinado permanece igual ou baixa muito ligeiramente apenas. Outra patranha mais recente é o argumento da reposição da receita fiscal perdida (???) pela suposta baixa de consumo. No entanto, neste carrossel de feira de subidas e descidas, uma coisa permanece constante: a discriminação contra quem escolhe utilizar um veículo a gasolina para fins profissionais. Ou, no caso das duas rodas, nem sequer tem escolha por não haver motos propulsionadas a gasóleo – na Índia, há uma versão diesel da vetusta Royal Enfield, mas não consta que seja comercializada na Europa. Ainda por cima, uma olhadela aos méritos relativos de cada combustível revela um cenário ainda mais desequilibrado:

Esquecendo por um momento o preço da cada combustível, com o preço por litro do gasóleo a oscilar entre os 1,30€ e os 1,40€ e o da gasolina entre os 1,56€ e os 1,68€, o que verificamos é que ainda há uma diferença de preços de cerca de 30 cêntimos entre um e outro. A outra peça fundamental da equação é que o preço do (mais barato) gasóleo é dedutível como uma despesa de negócio e o da (mais cara) gasolina, não.


Pela Europa fora, a scooter é uma opção económica

Pela Europa fora, a scooter é uma opção económica

Aparte a pergunta, perfeitamente legitima, de com que direito, autoridade moral ou prepotência pode um governo ditar aos empresários que combustível deviam escolher para impulsionar a sua frota, outra questão se levanta. Consideremos por um momento essa maravilha da internet moderna, flagelo das frotas de táxis, a maior empresa de táxis do mundo sem possuir um único veículo, a Uber. Decerto já repararam que agora pululam por toda a cidade, especialmente à volta de Pizzarias ou McDonalds, frotas de pequenas aceleras da Uber Eats, sempre conduzidas pelo proverbial adolescente borbulhento. A premissa é lógica e pertinente. Na era do “fast food”, quando só apetece comida já pronta sem mais delongas, porque não ter um serviço que a vem entregar à nossa porta?

Portanto, dum lado temos uma Uber para transportar pessoas, normalmente num moderno sedan de 4 portas, com menos de 2 anos de idade por imposição da empresa, e gastando, portanto, em cidade, digamos, 6 litros de gasóleo aos 100 Km. Do outro a Uber Eats, para transportar comida às casas das pessoas, normalmente uma moderna acelera chinesa com menos de dois anos também, gastando talvez 3 litros de gasolina aos 100 Km. Pela fórmula acima, o carro a consumir 6 litros a 1,30, por exemplo, gasta 7,80€. Já a opção acelera, a consumir sem-chumbo 95 a 1,60€, ficará pelos 4,80€. Ou seja, a acelera, com toda a discriminação fiscal contra ela, continua a gastar consideravelmente menos e a ser a mais barata de operar - se nos abstrairmos por um momento da diferença entre transportar 3 pessoas e 3 Happy Meals, mas também poderíamos falar do custo de aquisição irrisório contra várias dezenas de milhar de euros do tal sedan. Vamos portanto puni-la com uma legislação fiscal menos favorável e… ahhh? 

Espera aí, não devia ser exatamente o contrário? Punir o mais gastador – e portanto, mais poluente - e favorecer o mais económico e, portanto, menos poluente? Quer dizer, não só as empresas que escolheram utilizar motos – demos o exemplo da Uber mas há outras – veem que o Governo pouco se interessa pela sua escolha ser a mais económica, mas ainda por cima não a aceitam como uma legítima despesa duma empresa…


E o que irá acontecer quando a política de aproximação dos dois preços tiver a sua inevitável conclusão lógica, que é o seu cruzamento, um numa direção ascendente e outro a descer ou manter-se, e o gasóleo ficar mais caro que a gasolina? Passará então este a ser o combustível não admissível como despesa de negócio? Ou a coisa ficará ainda mais burlesca e a (então mais barata) gasolina continuará a ser o “patinho feio”, discriminada fiscalmente? 

Decerto, estas coisas já estão a ser equacionadas em altos gabinetes de estudo por consultores altamente pagos (com os nossos impostos!) por essa Europa fora, e previsivelmente elas darão origem a outros tantos relatórios, que por sua vez darão origem a outra tanta legislação, ou alterações à legislação, numa tentativa de corrigir algumas destas distorções. Provavelmente, com o desaparecimento anunciado dos diesels para daqui a uns 10 anos, e a chegada em força dos veículos elétricos, a sua importância até vai ser relativa…

Agora, quanto vale a aposta de que, quando a maioria do parque em circulação for elétrico, alguém vai virar o bico ao prego e inventar umas taxas para esses também?


andardemoto.pt @ 22-8-2018 23:55:00 - Paulo Araújo

Outros artigos de Paulo Araújo:

As motos e os miúdos

Porquê raspar o joelho?

Recordes em pista - A tender para zero?

Bons velhos tempos nas Superbike

A Honda RC30 tem 30 anos

A alegria do faça-você-mesmo

Superbike- Irá a nova BMW fazer diferença?

Mundial Superbike 2018 – Uma época à procura de maior equilíbrio

Moto GP- Qual é o problema com a Yamaha?

MotoGP - Silly season - a época tola

História repetida?

Uma crónica acerca de... nada!

"Tudo é possível" - uma aventura em Vespa

Ilha de Man 2018 - Recordes batidos, e ainda vamos nos treinos!

Barry Sheene, as motos e o marketing

Meninas e Motos

A Norton Commando

Mundial SBK - A evolução da Yamaha YZF-R1

Do avião à moto

Convivendo com Graziano Rossi

O jogo do empresta

Curiosidades – Os homens da Força Aérea Sueca

Histórias do Mundial - Santiago Herrero: Campeão sem coroa

Curiosidades - Evinrude e os Davidson

MotoGP - Previsão de uma época histórica

Mundiais de Velocidade - A YZR500, ou OW – A 500 de GP da Yamaha

Mundiais de Velocidade - A Honda NS/NSR500

Foi-se Tony Scott

Mundiais de Velocidade – A Suzuki RG500 - Parte II

Mundiais de Velocidade – A Suzuki RG500 - Parte I

Mundiais Velocidade - A evolução

Oportunidades perdidas

Moto GP – Como vai ser 2018? – 3ª Parte – A Suzuki e a KTM

Moto GP – Como vai ser 2018? – 1ª Parte – A Honda e a Yamaha

Os famosos e as motos – Uma inevitável atração?

Corridas de moto no Natal?

Histórias do Mundial – Gary Nixon, o campeão que nunca chegou a ser...

Histórias do Mundial – As poderosas 500

Histórias do Mundial - Degner, Kaaden e a MZ

Pneus de MotoGP

Retrospectiva – MotoGP 2017

Grande Prémio de Macau de 1986 - O primeiro com portugueses - 1ª parte

Mundial Superbike – Retrospectiva 2017

Mundial Moto 3- Retrospectiva

A Moriwaki – Um prodígio à Japonesa

Quando os Grandes Prémios serviam para sonhar - A ELF500

Yoshimura, o mago dos motores

Harris YZR500 - A aventura no Mundial

O que vem a seguir em Moto2?

Técnica MotoGP - “Chatter” e como o evitar

Porquê raspar o joelho?

GP San Marino Moto GP – A ausência de Rossi

A Ducati e Doug Polen

Curiosidades do Mundial de outrora...

Mundial de Superbikes - A corrida no México

O que é o Northwest 200?

As gloriosas 350

O Mundial de velocidade, como era há 30 anos...

Recordando as 8 Horas de Suzuka

As corridas de Clube em Inglaterra

Recordando a magia de Spa- Francorchamps

Ainda as Superbike...

Como resolver a crise nas SBK?

McLaughlin e a criação das Superbike

Karma, ou o ciclo da vida…

Mundial MotoGP - Itália - Chega o novo Michelin

É tempo de Ilha de Man de novo

Regresso às origens nas SBK

Nicky Hayden, o adeus

As origens da KTM de Miguel Oliveira

Recordando momentos...

Jerez de la Frontera: Destino obrigatório

Mundial de Superbikes chega a Assen

Porque correm os Ingleses?

Quando menos era mais...

Parentescos - Porque há cada vez mais famílias no MotoGP?

A propósito de Motoshows por esse mundo fora...

Moto2 revela equilíbrio antes da prova inicial em Losail, no Qatar

Novos pneus Michelin em foco nos treinos MotoGP

O Artesão dos Escapes

Adeus, Sir John

O adeus às asas traz mais problemas do que os que resolve?

O Regresso das SBK


Clique aqui para ver mais sobre: Desporto